terça-feira, 31 de agosto de 2010

A carta



Quanta saudade vai aqui no meu coração, tanta quanta nem consigo mensurar...
Notícias não chegam e nem sei mais o que fazer, o que pensar...
Não sei mais viver, preciso do seu amor, do nosso amor...
Aquela coisa bonita que dia após dia foi brotando e crescendo e aumentando...
Agora explode aqui dentro e não sei como lidar...
Não sei mais viver...
Você entrou na minha vida...
Uma maneira louca, uma brincadeira, um jogo literalmente...
Um jogo que não sei jogar sozinha...
Não consigo sair desse jogo, mas preciso de você pra jogar...
Só a tua palavra define este jogo...
Porém existe uma contradição em tudo isso...
Nós dois já havíamos parado de jogar...
Mudamos de plano e este era real...
Muito real, e nele existia eu e você...
Plenos e donos da situação, rendidos completamente ao sentimento...
Uma rendição que atende pelo nome de amor!!!
Um amor que nos tomou por completo e por mais que o tempo passe e eu lute contra...
Ele permanece aqui dentro pulsando loucamente no meu peito...
Me diz o que fazer com tudo isso!!!
Isso que se debate dentro de mim...
Diga-me por favor!!!
Que atitude tomar, pra que lado correr!!!
Isso e tão somente isso...

domingo, 29 de agosto de 2010

Aqui dentro



Olhar pra frente
Deixar tudo pra trás
Você consegue?
Alguém consegue?
Existe uma maneira de empacotar tudo, lacrar e guardar no fundo de um baú?
Não... não tem... a fórmula pra isso ainda não foi inventada.
Como se desvencilhar do que foi vivido?
Claro! A memória, única culpada... não nos deixa esquecer.
Aí alguém diz (assim como se fosse fácil):
Ah! Mas é só querer!!
Hum... ah é??
Eu quero, é o que mais quero... e quero muito!!
Mas isso não desprende de mim, não solta.
Não consigo dobrar e colocar na caixa, lacrar e encerrar no tal baú... soltar ao vento...
Definitivamente não dá.
E permanece ali... na verdade está aqui!!
Bem aqui dentro de mim...
Por mais que eu lute contra e resista e me debata e me angustie e grite!!!
Está lá pulsando!!
Uns dias mais, outros menos...
Fecho os olhos na tentativa de fugir.
Ledo engano... aí que te vejo diante de mim.
Mas... e onde estão seus olhos?
Pra onde eles olham agora?
Em que direção que não mais meu coração?
E o poeta insiste em me fazer pensar...
"Aonde está você agora além de aqui dentro de mim..."